A hanseníase, também conhecida como Mal de Hansen, ou mais antigamente chamada de lepra, é uma doença infecciosa causada por uma bactéria denominada Mycobacterium leprae.

A doença é transmitida de pessoa para pessoa, quando estas convivem no mesmo ambiente, geralmente na presença de algum indivíduo portador da doença na forma chamada de multibacilar, na qual há maior número de bactérias. Importante ressaltar que a doença só é transmitida pelo indivíduo doente antes do tratamento. Os principais meios de transmissão dessa bactéria são pelas vias aéreas superiores, leite materno, urina, fezes ou de lesões (feridas) na pele dos doentes.

A bactéria causadora da hanseníase afeta principalmente a pele e os nervos da pele, provocando lesões cutâneas características, como as manchas claras, e alterações da sensibilidade da área afetada. Dependendo do sistema imunológico do indivíduo afetado, as lesões da pele podem ser em menor ou maior número, e também de outras formas, além das clássicas manchas brancas. Os nervos da pele também podem sofrer mais ou menos, na dependência da imunidade do indivíduo.

Sempre que houver suspeita de um caso de hanseníase, ou quando houver o diagnóstico de um caso em uma família ou entre pessoas do mesmo convívio, é importante que todas as pessoas próximas sejam examinadas por um profissional de saúde treinado para o diagnóstico.

O tratamento da hanseníase também deve ser feito o mais precoce possível, evitando assim, sequelas nos indivíduos acometidos.

Os esquemas atuais de tratamento para hanseníase são altamente eficazes, e são denominados de esquemas “PQT” ou Poliquimioterapia, pois são realizados com mais de um medicamento. O tratamento é feito em casa, com consultas ambulatoriais periódicas para controle do estado do paciente e supervisão do tratamento.


Voltar