O herpes zoster é uma doença infecciosa viral, causa pelo Vírus Varicela Zoster (HHV-3). Esse vírus é o mesmo causador da varicela ou catapora.

Antes do advento da vacina contra catapora, mais de 90% das crianças apresentavam a doença, que geralmente é muito sintomática, apresentando muitas lesões na pele.

Esse vírus apresenta uma distribuição universal, e acredita-se que pelo menos 98% da população adulta tenham o vírus no organismo, num estado de latência, ou seja, sem atividade.


O herpes zoster representa a reativação desse mesmo vírus, e geralmente acomete o adulto, seja ele saudável ou com deficiência imunológica. A frequência e a gravidade da doença aumentam significativamente com a idade. Nas pessoas com algum grau de imunodeficiência a frequência dos casos de herpes zoster tem sido maior.

É importante ressaltar que uma pessoa com herpes zoster pode transmitir catapora para outra pessoa, sendo esse o motivo do cuidado que se deve ter principalmente com o contato com crianças.

O quadro clínico do herpes zoster é caracterizado por começar, geralmente, com uma queixa de formigamento, alteração da sensibilidade ou até mesmo dor intensa em uma área delimitada da pele. Posteriormente surgem as lesões, que são vesículas agrupadas, seguindo um “caminho” bem definido na pele, chamado dermátomo. Raramente essas lesões atravessam de “um lado para o outro” do corpo.

Apesar do quadro do herpes zoster ser autolimitado, seu tratamento é de extrema importância pelo risco de complicações. Entre elas destacam-se a neuralgia pós-herpética*, as cicatrizes, infecção bacteriana secundária, herpes zoster oftálmico, síndrome de Ramsay-Hunt** e outros.

*Neuralgia pós-herpética:

A dor é um dos sintomas mais importantes do herpes zoster, acometendo mais de 80% dos pacientes acima de 80 anos de idade. Ela poder ser classificada em dor aguda, que ocorre dentro dos primeiros 30 dias, dor subaguda, entre 30 e 120 dias, e dor crônica, que continua por mais de 120 dias do quadro. A dor intensa permanecendo por mais de 1 ano é pouco comum, mas pode ocorrer em alguns pacientes. Pelo fato de ser muito difícil controlar a dor neural depois que ela já foi estabelecida, é muito importante tratar o paciente com medicamentos adequados desde a primeira consulta, para minimizar a dor e evitar a lesão neural. A indicação de uma clínica da dor pode ser necessária para alguns pacientes.

**Síndrome de Ramsay-Hunt:

Representa o acometimento do gânglio geniculado, afetando canal auditivo, língua, palato, paralisia do nervo facial e outros sintomas.



Voltar