A psoríase é uma doença inflamatória comum e persistente, que pode estar associada com grande morbidade. Atualmente considera-se que a psoríase esteja associada a outras doenças, como diabetes, obesidade, doenças cardiovasculares, depressão e outras. Também tem sido relacionada ao maior consumo de álcool e tabagismo.

Os estudos de qualidade de vida revelam um impacto negativo nesses pacientes, que podem ser comparados aos vistos nos portadores de outras doenças crônicas, como câncer, artrite e doenças do coração.

Não há estudos no Brasil que indiquem as formas mais comuns da psoríase, mas estudos realizados nos Estados Unidos e em países da Europa mostram que 20 a 30% dos pacientes apresentam a forma grave da doença.

As causas da doença ainda não estão bem definidas, mas fatores genéticos, imunológicos e ambientais já são apontados como alguns dos motivos.

A psoríase tem manifestações clínicas muito variadas. A extensão do envolvimento da pele varia de pequenas lesões localizadas, por exemplo, nos cotovelos e joelhos, até o comprometimento de toda a pele. O couro cabeludo, os pés, as mãos e região genital podem estar afetados, assim como as unhas. Outra manifestação clínica importante da psoríase é o acometimento das articulações. Os pacientes com essa forma da doença podem apresentar desde leves manifestações, como inchaços, vermelhidão e dor nas pequenas articulações, até sinais de deformidades em grandes grupos articulares, com incapacidade física e funcional.

O tratamento da psoríase, como o de outras doenças inflamatórias que envolvem o sistema imunológico (doenças imunomediadas), é muito complexo. As terapias sistêmicas convencionais consideradas “padrão ouro”, ou seja, as melhores para o tratamento da doença, estão associadas a algum risco ou efeito colateral, que pode ocorrer tão logo se inicie o tratamento, ou após alguns meses ou anos de uso.

Pelo progresso contínuo das pesquisas em biologia molecular, surgiu uma nova classe de medicamentos, que ficaram conhecidos como biológicos, e são capazes de agir de forma mais específica no tratamento da doença, minimizando assim o risco de efeitos colaterais. Porém, por serem medicamentos novos, ainda requerem cuidado e avaliação criteriosa por especialistas para sua indicação.

A artrite psoriásica caracteriza-se por um processo inflamatório que causa dor e destruição progressiva das articulações. Pode afetar ligamentos, tendões, fáscias, grandes e pequenas articulações.

O comprometimento da articulação poder vir antes do acometimento da pele, mas em geral, manifesta-se após a doença cutânea.

Segundo o último Consenso de Psoríase da Sociedade Brasileira de Dermatologia, a incidência do comprometimento articular na psoríase varia de 10% a 42%.

Tratamento da psoríase (Ler mais...)


Voltar